| REFERÊNCIA EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA |

Menu

ANEURISMA DE COLO LARGO EM ARTERIA PERICALOSA TRATADO COM STENT REDIRECIONADOR DE FLUXO
Outubro 2019


Paciente apresentando aneurisma incidental de colo largo relacionado a artéria pericalosa esquerda durante procedimento de embolização de aneurisma de carótida interna por hemorragia subaracnóide.

Os aneurismas intracranianos de colo largo apresentam altas taxas de recanalização quando embolizados com técnica simples, em que utilizamos apenas espirais destacáveis. Sua localização em bifurcações arteriais pode oferecer um desafio adicional quando há envolvimento de ramos terminais.

Os stents redirecionadores de fluxo  foram inicialmente desenvolvidos para o tratamento de aneurismas de colo largo localizados na carótida interna supraclinoidea. Para aneurismas pequenos, a taxa de oclusão completa tardia é superior a 90% e a taxa de complicação é menor que 5%. Sua utilização no território extracarotídeo ainda é motivo de discussão na literatura, contudo a  já demonstra resultados promissores e sucesso nesses territórios. Esse caso foi  optado por tratamento endovascular com stent redicerionador de fluxo (FRED® Jr. System Flow Re-Direction Endoluminal).

São dispositivos compostos por finas malhas metálicas interpostas com notada flexibilidade para acompanhar vasos tortuosos. Apresentam como característica fundamental a oclusão tardia dos aneurismas com preservação dos vasos originados a partir da parede lateral das artérias em que são implantados. São uma alternativa segura para o tratamento de aneurismas intracranianos localizados além da artéria carótida interna. Devem ser tomados cuidados como o tamanho ideal do stent para boa aposição ao vaso portador e evitar sobreposição de dispositivos para minimizar o risco de complicações isquêmicas.

O caso descrito apresenta oclusão completa do aneurisma e preservação vascular após controle angiográfico com 6 meses.

Bibliografia:

  1. Zhou, G., Su, M., Yin, Y.-L., & Li, M.-H. (2017). Complications associated with the use of flow-diverting devices for cerebral aneurysms: a systematic review and meta-analysis. Neurosurgical Focus, 42(6), E17.doi:10.3171/2017.3.focus16450
  2. Pierot, L., Spelle, L., Berge, J., Januel, A.-C., Herbreteau, D., Aggour, M., … Costalat, V. (2018). Feasibility, complications, morbidity, and mortality results at 6 months for aneurysm treatment with the Flow Re-Direction Endoluminal Device: report of SAFE study. Journal of NeuroInterventional Surgery, 10(8), 765–770. doi:10.1136/neurintsurg-2017-013559
  3. Colby, G. P., Bender, M. T., Lin, L.-M., Beaty, N., Caplan, J. M., Jiang, B., … Coon, A. L. (2018). Declining complication rates with flow diversion of anterior circulation aneurysms after introduction of the Pipeline Flex: analysis of a single-institution series of 568 cases. Journal of Neurosurgery, 1–7.doi:10.3171/2017.7.jns171289