| REFERÊNCIA EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA |

Menu

ANEURISMA BIFURCAÇÃO DA ARTÉRIA CEREBRAL MÉDIA TRATADO COM STENT REDIRECIONADOR DE FLUXO
Novembro 2019


Paciente portadora de hipertensão arterial e diabetes mellitus, refere que há 5 meses apresentou quadro de perda momentânea de consciência, com duração de poucos segundos e recuperação sem déficit ou outros sintomas.

O exame evidenciou  que a paciente era portadora de aneurisma de colo largo na bifurcação da artéria cerebral média direita (Figura 1).

Os aneurismas desta artéria, comumente, apresentam morfologia complexa devido a ocorrência de colo largo e/ou envolvimento de ramos distais.

O tratamento dessas lesões podem se tornar um desafio, e até algum tempo atrás era, preferencialmente, realizado por cirurgia aberta.

Recentemente, com a evolução na produção das imagens angiográficas e nos dispositivos utilizados, o tratamento endovascular tem se destacado pele baixissima morbidade e bons resultados finais.

Com aumento do leque de indicações, a reprodutibilidade do métodos e sua efetividade elevada, os stents redirecionadores de fluxo ( SRF) têm se mostrado uma boa opção para uso nestes casos, apesar de ainda ser motivo de discussão na literatura.

Estes stents foram inicialmente desenvolvidos para utilização em aneurismas de colo largo na carótida interna, porém devido aos fatos supracitados, tem sido cada vez mais usados em ramos distais e de menor calibre com resultados equiparáveis aos de outras terapias apresentando taxa de oclusão completa tardia é superior a 90% e a taxa de complicação é menor que 5%.

Os SRF são formados pela interposição de malhas metálicas com acentuada flexibilidade para melhor acoplamento a vasos tortuosos e são uma alternativa segura e eficaz no tratamento de aneurismas em território extra-carotídeos.

Em nosso serviço, obtivemos sucesso técnico em 18 intervenções utilizando o stent Fred Jr em paciente submetidos a esta modalidade terapêutica.

Bibliografia:

  1. Cagnazzo, F., Mantilla, D., Lefevre, P.-H., Dargazanli, C., Gascou, G., & Costalat, V. (2017). Treatment of Middle Cerebral Artery Aneurysms with Flow-Diverter Stents: A Systematic Review and Meta-Analysis. American Journal of Neuroradiology, 38(12), 2289–2294. doi:10.3174/ajnr.a5388
  2. Iosif, C., & Mounayer, C. (2015). Flow-Diverter Stents for the Treatment of Saccular Middle Cerebral Artery Bifurcation Aneurysms: Is “Unsuitable” the Right Conclusion? American Journal of Neuroradiology, 37(2), E13–E13. doi:10.3174/ajnr.a4633 
  3. Bhogal, P., AlMatter, M., Bäzner, H., Ganslandt, O., Henkes, H., & Aguilar Pérez, M. (2017). Flow Diversion for the Treatment of MCA Bifurcation Aneurysms—A Single Centre Experience. Frontiers in Neurology, 8. doi:10.3389/fneur.2017.00020 
  4. Pierot, L., Spelle, L., Berge, J., Januel, A.-C., Herbreteau, D., Aggour, M., … Costalat, V. (2018). Feasibility, complications, morbidity, and mortality results at 6 months for aneurysm treatment with the Flow Re-Direction Endoluminal Device: report of SAFE study. Journal of NeuroInterventional Surgery, 10(8), 765–770. doi:10.1136/neurintsurg-2017-013559
  5. Zhou, G., Su, M., Yin, Y.-L., & Li, M.-H. (2017). Complications associated with the use of flow-diverting devices for cerebral aneurysms: a systematic review and meta-analysis. Neurosurgical Focus, 42(6), E17.doi:10.3171/2017.3.focus16450